Muitos profissionais têm dúvidas e dificuldade em gerenciar projetos, e de fato, o gerenciamento de projetos é um grande desafio até para aqueles mais experientes. Uma das dificuldades dessa gerência é fazer com que o projeto siga o cronograma estipulado no planejamento. Nesse post vamos conhecer uma ferramenta que auxilia justamente no controle dos prazos de um projeto, essa ferramenta é a Rede PERT (Program Evaluation and Review Technique – Avaliação do Programa e Técnica de Revisão).

Em um projeto, uma das funções do gerente é garantir que os resultados estejam sendo entregues dentro dos parâmetros e prazos pré-determinados no planejamento. Neste post vamos aprender a controlar exclusivamente os prazos de um projeto com o auxílio da ferramenta conhecida como Rede PERT (Program Evaluation and Review Technique – Avaliação do Programa e Técnica de Revisão).

Essa técnica é, na maioria das vezes, utilizada em conjunto com a ferramenta CPM (Critical Path Method – Método do Caminho Crítico). Essa combinação permite ao gerente um maior controle sobre prazos, atividades críticas e folgas entre atividades no projeto, facilitando o gerenciamento do mesmo.

Mas antes de conhecer essas ferramentas vamos aprender sobre sobre suas origens.

  • Origem da Rede PERT

O método da Rede PERT foi desenvolvido pela Marinha dos Estados Unidos. Durante a guerra fria surgiu a necessidade de coordenar o trabalho de milhares de pessoas no projeto dos submarinos nucleares Polaris, pelo grande número de envolvidos, incluindo fornecedores, projetistas e contratantes, foi necessário criar uma técnica que fosse capaz de alinhar os esforços de todas as partes envolvidas com o objetivo de garantir que os resultados fossem entregues nas datas previstas, e assim, manter o projeto dentro do prazo. Nesta mesma época, as empresas Dupont e UNIVAC, desenvolveram para a Lockheed Aircraft Corporation, o método CPM. Como as técnicas e processos dos dois métodos são muito parecidos, sendo diferenciados apenas pelo método de determinação dos tempos de cada atividade, as duas ferramentas são geralmente usadas em conjunto, criando assim a denominação CPM/PERT. (Adalberto José Tavares Vieira, Os Métodos do PERT & CPM)

  • Qual são os objetivos da Rede PERT?

– Minimizar problemas relacionados a prazos, como por exemplo: atrasos e interrupções de serviços;

– Determinar e ter conhecimento das atividades críticas do projeto, que tenham mais chances de impactarem na duração do mesmo sendo possível assim criar planos de ação para corrigir possíveis erros ou problemas.

Outra maneira de determinar a prioridade das atividades são as matrizes de priorização.

Como dito por Raíza Moraes em “Como priorizar o que é realmente necessário?”: “[…] a matriz de priorização foi criada a fim de auxiliar o empreendedor a definir o que é prioritário para a condução dos trabalhos. Além de priorizar problemas e soluções, essa ferramenta é de extrema importância pois permite que a organização determine o melhor projeto(s) para trabalhar no momento […]”. Disponível em: – https://uvagpclass.wordpress.com/2018/05/22/como-priorizar-o-que-e-realmente-necessario/

– Manter os envolvidos no projeto informados quanto ao andamento do mesmo, identificando avanços ou atrasos em cada etapa ou atividade.

– Determinar o momento em que cada atividade deverá ser iniciada e concluída.

  • Como funciona a Rede PERT?

A Rede PERT é utilizada em conjunto com o método CPM, organizando as tarefas e etapas do projeto para visualizar melhor as atividades e encontrar o tempo total de duração do projeto.

A diferença entre essas duas ferramentas é o cálculo dos tempos das atividades, enquanto no PERT o mesmo é feito a partir da média ponderada de 3 durações possíveis (otimista, mais provável e pessimista), o CPM determina o caminho crítico, ou seja, quais atividades de uma sequência não podem sofrer atrasos, caso contrário mudariam a duração total de um projeto. Desta maneira, classificando-os em função do tratamento, a rede PERT é probabilística e o CPM é determinístico.

Com o CPM/PERT, é possível determinar melhor quanto tempo um projeto levará para ser finalizado e compreender melhor quais atividades precisam ser feitas e quando. (Luis Cyrino, PERT e CPM – Métodos de Planejamento)

  • A rede PERT é composta por três elementos:

– Tarefa: são as atividades a serem realizadas, nomeadas por letras e representadas por uma seta, cada tarefa dura um determinado tempo, que deve estar sendo indicado no diagrama.

WhatsApp Image 2018-05-15 at 13.39.30
Imagem 1 – Seta (tarefa) Fonte: http://www.blogdaqualidade.com.br/metodo-do-caminho-critico/

– Tarefa fantasma: não é efetivamente uma tarefa do projeto, apenas representa a interdependência entre determinadas tarefas. É representada por uma flecha pontilhada. Entenderemos melhor sobre esse elemento mais a frente.

WhatsApp Image 2018-05-15 at 13.39.37
Imagem 2 – Seta pontilhada (tarefa fantasma) Fonte: http://www.blogdaqualidade.com.br/metodo-do-caminho-critico/

– Etapa: representam o início e o fim de uma tarefa, representada por um círculo numerado, a ele são ligadas as setas e setas pontilhadas, cada etapa representa o fim de uma tarefa e também o início da tarefa seguinte. (João Batista Ribeiro Ferreira, PERT/CPM – Passo a Passo)

WhatsApp Image 2018-05-15 at 13.39.34
Imagem 3 – Círculo numerado (etapa) Fonte: http://www.blogdaqualidade.com.br/metodo-do-caminho-critico/
  • O que é “Caminho Crítico”?

No CPM, caminho é a ordem em que as tarefas são feitas, indicando uma sequência a ser seguida. Caminho Crítico é, então, a sequência que leva mais tempo para ser finalizada, indicando o tempo máximo que um projeto levará. (Davidson Ramos, Metodo do Caminho Crítico – CPM/PERT)

  • Agora vamos entender um pouco melhor esses elementos e conceitos em um exemplo prático:

WhatsApp Image 2018-05-24 at 01.08.47
Imagem 4 – Exemplo PERT – Fonte: http://www.blogdaqualidade.com.br/metodo-do-caminho-critico/ – (editada pelo autor)

O gráfico acima representa um projeto com 6 tarefas a serem executadas (A, B, C, D, E e F) e deve ser interpretado da esquerda para a direita. Dessa forma, percebemos que a atividade A é a inicial, e as atividades B e C são as próximas a serem executadas. Do mesmo modo, para que as atividades B e C sejam realizadas, primeiramente é necessário realizar a atividade A.

Neste exemplo, temos 2 caminhos possíveis para a conclusão do projeto:

– O 1º seria: executar as atividades A, B, D e F, respectivamente. Somando os tempos que cada tarefa leva para ser feita, teríamos um caminho com 16 dias de duração, como pode ser observado na imagem a seguir:

WhatsApp Image 2018-05-24 at 01.08.49
Imagem 5 – Caminho 1 – Fonte: http://www.blogdaqualidade.com.br/metodo-do-caminho-critico/ – (editada pelo autor)

– O 2º seria: executar as atividades A, C, E e F, respectivamente. Somando os tempos que cada tarefa leva para ser feita, teríamos um caminho com 13 dias de duração, como podemos observar na imagem a seguir:

WhatsApp Image 2018-05-24 at 01.08.50
Imagem 6 – Caminho 2 – Fonte: http://www.blogdaqualidade.com.br/metodo-do-caminho-critico/ – (editada pelo autor)

Nesse caso, o Caminho Crítico desse projeto seria ABDF, pois é o que leva mais tempo para ser finalizado. Nessa metodologia, o Caminho Crítico é utilizado para estimar a duração do projeto, sendo assim, o tempo estimado para o término do projeto seria de 16 dias.

  • Agora vamos inserir uma Atividade Imaginária e observar quais alterações essa mudança pode causar no prazo e planejamento do projeto:

WhatsApp Image 2018-05-24 at 01.08.52
Imagem 7 – Exemplo PERT com atividade fantasma – Fonte: http://www.blogdaqualidade.com.br/metodo-do-caminho-critico/ – (editada pelo autor)

Neste caso, a seta pontilhada significa que para a tarefa E ser executada, é preciso que as tarefas B e C estejam finalizadas. Nesse caso utilizamos uma seta pontilhada para identificar a dependência entre as tarefas.

Dessa forma, devido as atividades B e C terem tempos diferentes (3 dias para a tarefa B e 2 dias para a C), a tarefa E não pode começar imediatamente após o término da C, pois precisaria esperar 1 dia para que a atividade B fique pronta, o que causa uma folga entre atividades.

As folgas são o tempo ocioso entre as atividades que estão fora do caminho crítico. Esse 1 dia de espera da atividade C com relação a B é uma folga no projeto. É importante calcular as folgas porque com isso podemos saber a prioridade e importância das tarefas, caso haja um atraso de 1 dia na atividade C, por exemplo, não haverá alteração no prazo total do projeto, o que não aconteceria com um atraso na atividade B. (Davidson Ramos, Método do Caminho Crítico – CPM/PERT)

  • Ainda tem dúvida se deve ou não usar o método PERT?

A técnica da Rede PERT, em conjunto com o CPM são de grande ajuda no gerenciamento de projetos, principalmente aqueles mais extensos e complexos, que possuem prazos bem específicos e não podem suportar um atraso de cronograma. Ela também auxilia na descoberta de gargalos e das tarefas críticas do seu projeto, assim você saberá quais atividades precisam de mais atenção e foco, evitando assim “estouros” de prazo.

Então se você tem dificuldade em controlar os prazos de seus projetos, não perca tempo e use a Rede PERT!

Um outro método para o controle de prazos é a utilização de cronogramas físicos, segundo Matheus Felipe Amaral Guimarães em “5 Etapas para o Planejamento dos Seus Sonhos”: “Essa ferramenta auxilia no planejamento e controle de atividades, excelente para organizar o nosso trabalho e ter uma visão geral de todos os processos envolvidos, inclusive os gastos.” Para uma análise mais aprofundada sobre o assunto, acesse https://uvagpclass.wordpress.com/2018/05/24/5-etapas-para-o-planejamento-dos-seus-sonhos/

E então, está convencido de que a Rede PERT pode ser muito útil em seus projetos? Já usou essa ferramenta alguma vez? Ficou com alguma dúvida sobre execução e aplicações? Sinta-se à vontade para comentar no post e ficarei muito feliz em responder!

 

Referências Bibliográficas:

ISSUU – PERT/CPM – passo-a-passo. Disponível em: https://issuu.com/joaobatistaribeiroferreira/docs/pert-cpm_passo-a-passo – Acessado em Maio de 2018.

JOINVILLE – OS MÉTODOS DO PERT & CPM. Disponível em: http://www.joinville.udesc.br/portal/professores/adalberto/materiais/AULA_07______________OS_M_TODOS_DO_PERT___CPM.pdf – Acessado em Maio de 2018.

CCM – O método PERT. Disponível em: https://br.ccm.net/contents/583-o-metodo-pert – Acessado em Maio de 2018.

MANUTENÇÃO EM FOCO – PERT e CPM – Métodos de planejamento. Disponível em: https://www.manutencaoemfoco.com.br/pert-cpm-metodo-de-planejamento/ – Acessado em Maio de 2018.

BLOG DA QUALIDADE – Método do Caminho Crítico (CPM/PERT). Disponível em: http://www.blogdaqualidade.com.br/metodo-do-caminho-critico/ – Acessado em Maio de 2018.

De Matheus Felipe Amaral Guimarães – 5 Etapas para o Planejamento dos “Seus Sonhos”. Disponível em: https://uvagpclass.wordpress.com/2018/05/24/5-etapas-para-o-planejamento-dos-seus-sonhos/ – Acessado em Maio de 2018.

De Raíza Moraes – Como priorizar o que é realmente necessário?. Disponível em: https://uvagpclass.wordpress.com/2018/05/22/como-priorizar-o-que-e-realmente-necessario/ – Acessado em Maio de 2018.

Anúncios