Lições podem ser aprendidas mesmo ao final de um projeto, o Post Mortem é um exemplo de que esta premissa é real, afinal o sucesso de hoje nem sempre será o sucesso de amanhã.

Tudo na vida nos oferece algum aprendizado, nos projetos não são diferentes, mesmo finalizados podem nos ensinar lições e agregar conhecimentos valiosos para os futuros novos projetos.

Post Mortem vem do Latim, sua tradução literal significa pós morte, é comumente utilizada na medicina pois se refere à exploração médica dos cadáveres com o fim de obter informação relevante sobre as causas e circunstâncias da morte de um indivíduo.

Mas qual a relação desta expressão com Gerenciamento de Projetos?

Segundo KERZNER (2006), análise post mortem pode ser definida como um sistema de informação de lições aprendidas, que proporcionam valiosas percepções sobre os projetos e as possibilidades de obter os melhores retornos.

Esse nível mede o impacto sobre os negócios em decorrência de uma implementação de mudanças. Áreas típicas de mensuração são apresentadas na Figura 11-2. Onde os fatores críticos são:

  • Fator Crítico de Sucesso: Mede as mudanças na saída do projeto, resultante da implementação de melhores práticas. Espera-se que eles levem a melhorias em  prazo, custo, qualidade e escopo (também conhecidos como tripla restrição)
  • Indicadores-chave de desempenho: Como o nome explicita, serve para avaliar se as práticas internas estão resultando em bons resultados ao projeto, é recebido direto para a gerência
  • Impacto sobre a unidade de negócios: É medido pela satisfação do cliente, isso é, diretamente ligado a qualidade, avalia-se a implementação das melhores práticas e possibilidade de negócios futuros.

WhatsApp Image 2017-11-29 at 03.44.46

Fonte: KERZNER, H. “Gestão de Projetos: As Melhores Práticas 3ED”. São Paulo: Bookman, 2006.

 

O que avaliar em um post-mortem?

  • Qual o projeto em questão;
  • O que deu certo perante as práticas aplicadas;
  • O que não deu certo perante as práticas aplicadas;
  • Se o objetivo foi alcançado;
  • O que foi aprendido;

Para esta avaliação ser feita, antes de tudo é necessária a aplicação do post mortem, muitos negligenciam esta técnica pelo fato do projeto já ter sido entregue, porém é necessário valoriza-lo pois será de grande valia, dada sua importância é necessária a presença de todos da equipe que fizeram parte do projeto, sempre registrando as opiniões e críticas. Tendo assim um produto final, um documento de Lições Aprendidas. Com ele, tiram-se experiências que podem ser replicadas na gestão dos próximos projetos, além de corrigir outros rumos que não deram certo.

WhatsApp Image 2017-11-29 at 03.44.47

Figura 2: Lições aprendidas podem ser positivas ou negativas

Fonte: http://www.fabricadejogos.net/posts/post-mortem-em-jogos-digitais-as-licoes-aprendidas-no-desenvolvimento/

Cabe citar que não existe um modelo padrão de como um post mortem deve ser feito, contudo  KERZNER (2006) listou algumas perguntas típicas para cada item da piramide:

  1. Tempo
  • Os prazos eram realistas?
  • O nível de detalhe estava correto?
  • Era fácil avaliar o desempenho a partir do cronograma?
  • O mapeamento era realizado com facilidade?
  1. Custo
  • Qual foi a precisão de nossas estimativas?
  • Nossas estimativas precisam ser atualizadas?
  • O mapeamento de custos seguiu nossa metodologia?
  • Houve problemas com informações sobre custos?
  1. Qualidade
  • Adequamo-nos às especificações do cliente?
  • O produto teve o desempenho esperado?
  • Avaliamos a durabilidade, a confiabilidade, a utilidade e a estética?
  1. Escopo
  • A declaração do trabalho era de fácil compreensão?
  • Os objetivos estavam claramente definidos?
  • Havia tecnologia exclusiva envolvida?
  • Se havia, a empresa tinha proteção de patente?
  • Os trade-offs foram obtidos?
  1. Apoio do gerenciamento de áreas
  • Os funcionários designados tinham o conhecimento exigido?
  • Qual era a qualidade dos recursos?
  • Os recursos demonstravam capacidade inovadora?
  • A quantidade certa de recursos foi desvendada?
  • Os recursos foram alocados de maneira oportuna de acordo com o cronograma?
  • Houve sobrecarga dos recursos?
  1. Apoio da alta administração
  • A alta administração demonstrou apoio?
  • A alta administração mostrou-se útil?
  • A alta administração descentralizou as tomadas de decisão?
  • A equipe de projetos teve autoridade suficiente para o trabalho exigido?
  • Havia um mapa ou planta do projeto?
  1. Metodologia
  • A metodologia possibilitava respostas rápidas?
  • O planejamento foi realizado corretamente?
  • A metodologia possibilitava a elaboração de um plano de contingência?
  • As ferramentas de apoio à metodologia eram perfeitas e estavam à disposição?
  1. Satisfação do cliente
  • O cliente ficou satisfeito com a relação preço-qualidade-valor?
  • Os produtos foram entregues no prazo?
  • Existem oportunidades de valor agregado ou um trabalho de acompanhamento à disposição?
  1. Oportunidades de negócios
  • Suas pressuposições eram válidas?
  • Há oportunidades de vendas adicionais que não sejam para esse cliente?
  • O projeto possibilitará o crescimento da organização?

Com isso, obtém-se um relatório de lições aprendidas, uma importante informação ao gerente de projeto, visando um processo de melhoria contínua atrelada a qualidade e a reputação da organização que ele representa, expondo falhas, acertos e correções a serem feitas, importante ferramenta para o mercado atual.

 

Aplicação do Post Mortem

Podemos exemplificar sua aplicação e contextualiza-la em jogos digitais

quando acaba seu desenvolvimento, inicia-se sua aplicação com o objetivo de verificar o que deu certo ou não deu certo.

Com a finalidade de nos próximos projetos, existam lições aprendidas para tomar as melhores decisões ou evitar recorrência de problemas. Também se torna o momento de reunir a equipe do projeto e discutir estes aspectos, através de técnicas como Brainstorming por exemplo, expondo assim o ponto de vista de cada um. Enriquecendo o conhecimento e agregando valor a toda a equipe do projeto.

Especificamente, no contexto de produção de jogos digitais, esta análise post mortem se faz muito importante, além do fato de que durante o desenvolvimento do projeto falta-se tempo para esta avaliação, após o lançamento do produto consegue-se fazer uma análise perante a opinião dos clientes, desta forma constatando fatores que deram certo (ou não) de forma concreta, pois neste caso temos um feedback do público-alvo.

Como já mencionado, e desta vez contextualizando, cabe avaliar os seguintes aspectos:

  • Qual o projeto em questão: Pelo fato do projeto ter caráter único e exclusivo, nem toda experiencia se aplica aos futuros projetos e isto tem que ser levado em conta;
  • O que deu certo perante as práticas aplicadas: Avaliar as práticas que ajudaram em todo processo de desenvolvimento, desde a criação até redução de custos, além de situações que integraram mais as equipes e melhoraram a comunicação.
  • O que não deu certo perante as práticas aplicadas: Avaliar problemas também é essencial para o amadurecimento profissional e organizacional além de, fundamental para evitar futuros erros em um próximo projeto.
  • Se o objetivo foi alcançado: O projeto foi finalizado, porém cumpriu seu objetivo? A aceitação do cliente foi boa? Os prazos foram cumpridos? O orçamento foi cumprido? Os profissionais que participaram do projeto estão satisfeitos? No caso de desenvolvimento de jogos, avalia-se também aspectos internos do jogo, como se os cenários tem falhas, se existem bugs em partes do jogo
  • O que foi aprendido: Este é um momento de grande relevância, é quando o conhecimento obtido é exposto, todo projeto trouxe algum aprendizado mediante as situações  vividas, este tópico torna-se o grande fator para maturação profissional e organizacional

 

Conclusão

O Post Mortem é uma ferramenta muito importante na gerência de projetos, pois em seus aspectos oferece aprendizado perante a o sucesso ou falha do mesmo, acertos e erros durante seu processo de desenvolvimento e implementação, sendo assim uma ferramenta essencial ao gestor a ser aplicada junto de sua equipe, para melhorar processos e evitar falhas redundantes, diminuindo assim riscos de erros em futuros projetos e ganho de conhecimento, aumentando assim sua probabilidade de sucesso

Referências Bibliográficas

Avaliação da percepção do nível de maturidade em gerenciamento de projetos em uma intituição pública – ESTUDO DE CASO EM BIO MANGUINHOS: https://www.arca.fiocruz.br/bitstream/icict/16801/2/TCC%20Maturidade%20em%20gerenciamento%20de%20projetos%20final%20-%20Leila%20Lahas.pdf acessado em novembro de 2017

ESCOLA BRASILEIRA DE GAMES – Post-mortem em Jogos Digitais: As Lições Aprendidas no Desenvolvimento: <http://escolabrasileiradegames.com.br/2017/02/16/post-mortem-em-jogos-digitais-as-licoes-aprendidas-no-desenvolvimento/&gt acessado em novembro de 2017

KERZNER, H. “Gestão de Projetos: As Melhores Práticas” 3ED. São Paulo: Bookman, 2006.

 

 

Anúncios