Há décadas que o homem vem se utilizando dos conhecimentos matemáticos para modelar e resolver situações problemáticas. Mas quando esses conhecimentos são dados como insuficientes para fornecer uma solução, a busca por novos métodos matemáticos faz-se necessário.

De acordo com Desel & Erwin (2000), foi a partir desta dificuldade que se criou a necessidade de desenvolver e lidar com técnicas e ferramentas adequadas para identificar, analisar e simular processos de negócio.

Apresentada em 1962, na tese de doutorado Kommunikatin mit Automaten de Carl Adam Petri, defendida na faculdade de Matemática e Física da Universidade de Darmstadt na Alemanha.

Segundo Peterson (1981), as redes de Petri são uma ferramenta para estudo de sistemas, devido a representação matemática e análise, onde é possível fornecer informações importantes sobre a estrutura e o comportamento dinâmico dos sistemas modelados.

Uma rede de Petri é representada por um grafo direcionado, com peso e bipartido, composto por dois elementos estruturais: lugares e transições. O lugar é representado graficamente por um círculo e a transição por uma barra. Os elementos estruturais são utilizados para criar o modelo, no qual arcos orientados conectam lugares a transições e transições a lugares.

WhatsApp Image 2017-11-02 at 12.48.48 (1)

Figura 1. Elementos básicos das redes de Petri.

Lugares e transições são os vértices do grafo associado às redes de Petri, os quais são interligados por arcos direcionados. Os arcos que ligam lugares a transições correspondem à relação entre condições verdadeiras que, em um dado momento, possibilitam a execução das ações enquanto que, os arcos que ligam transições a lugares representam a relação entre ações e condições que se tornam verdadeiras com a execução das ações.

WhatsApp Image 2017-11-02 at 12.48.48

Figura 2. Elementos de uma rede de Petri. Fonte: Aalst, 2002.

Para entendermos melhor como se dá o funcionamento de uma rede Petri (lugar/transição), nada melhor do que mostrarmos como podemos percebê-la em nosso dia-a-dia.

 Todas as manhãs, três integrantes de uma família (o pai, a mãe e o filho) realizam, rotineiramente, antes de sair de casa as seguintes atividades:

  • Levantam da cama;
  • Utilizam o banheiro (existe apenas 1 banheiro na casa e deve-se utilizado um por vez);
  • A mãe é responsável pelo preparo do café;
  • O filho abre o portão da garagem;
  • Todos tomam o café juntos (obrigatoriamente após a utilização do banheiro);
  • A mãe lava a louça;
  • O pai liga o carro;
  • Todos saem juntos.

Lembrando que o funcionamento da rede começa com marcas nos lugares banheiro-desocupado, pai-dormindo, filho-dormindo e mãe-dormindo.

Abaixo temos a imagem do processo da família durante sua rotina diária antes de se saírem de casa.

WhatsApp Image 2017-11-02 at 13.50.36

Figura 3. Rede que represente a rotina da família. Fonte: BateByte

Para acompanharmos o desenvolvimento das ações da família devemos partir do estado inicial mostrado na figura, realizando as transições e conferindo se a rede realmente modela as atividades e obedece às restrições que foram colocadas. Deixo esse desafio para que você possa colocar nos comentários a sua conclusão. É possível ou não, realizar a modelagem da rotina dessa família.

O objetivo é mostrar que as Redes de Petri pode ser adotada em sistemas com eventos discretos, comunicação assíncronos e sincronizados, com suas transições e eventos bem definidos. 

Com estudos aprofundados na ferramenta Redes de Petri, está sendo possível aplicá-la na modelagem e análise de sistemas dos mais variados ramos de atuação. Como por exemplo: manufatura, linhas de produção simples com armazenamento, na produção automotiva, nas linhas de montagem automatizadas, Kanban e também em eventos simples do nosso dia a dia como esse mostrado no exemplo acima .

Referências Bibliográficas:

Disponível em:<http://www.abepro.org.br/biblioteca/ENEGEP2002_TR93_0516.pdf>. Acesso em: 30 out. 2017.

Disponível em: http://www.batebyte.pr.gov.br/modules/conteudo/conteudo.php?conteudo=1324. Acesso em: 30 out. 2017.

Disponível em:<https://edisciplinas.usp.br/pluginfile.php/1881413/mod_resource/content/0/Aula_Redes%20de%20Petri.pdf>. Acesso em: 30 out. 2017.

Disponível em:<https://pt.wikipedia.org/wiki/Rede_de_Petri>. Acesso em: 30 out. 2017.

Disponível em: <https://www.researchgate.net/publication/237581592_O_POTENCIAL_DAS_REDES_DE_PETRI_EM_MODELAGEM_E_ANALISE_DE_PROCESSOS. Acesso em: 30 out. 2017.

Disponível em:<https://sed-ferias09-20610043.wikispaces.com/05.+Redes+de+Petri+%28RdP%29>. Acesso em: 30 out. 2017.

BANCOS DE IMAGENS

  1. http://www.shutterstock.com/
  2. http://www.fotosearch.com.br/
  3. http://www.agenciaoglobo.com.br/bancodeimagens/
  4. http://www.agenciabrasil.gov.br/imagens
  5. http://www.stockbrazil.com.br/
  6. http://www.nextfoto.com.br/
  7. http://www.reflexo.com.br/
  8. http://pt.inmagine.com/
  9. http://istoe.terra.com.br/dinheirodinamica/galeria/galeria_outras.asp
  10. http://www.gettyimages.com/
  11. http://www.jupiterimages.com/
  12. http://www.worth1000.com/default.asp?display=
  13. http://pro.corbis.com/ (tem opção para menu em português)
  14. http://commons.wikimedia.org/ (tem opção para português)

 

FONTES DE CONSULTA (sugestões)

  1. https://www.pmi.org/learning/thought-leadership/pulse
  2. Estudo de Benchmarking de Gerenciamento de Projetos (procurar no google)
  3. http://www.abrepro.org.br (faça o seu cadastro – é gratuito – e, uma vez logado, acesse os Anais do ENEGEP para pesquisar nos artigos dos evento)
  4. https://scholar.google.com.br/
  5. http://www.scielo.br/
  6. http://www.teses.usp.br/
  7. https://minerva.ufrj.br/
  8. http://monografias.poli.ufrj.br/
  9. http://www.bibliotecadigital.ufmg.br/
  10. http://www.bdtd.ndc.uff.br/
  11. http://www.bdtd.ndc.uff.br/tde_busca/resultado-tdes-prog.php?ver=14&programa=14&ano_inicio=&mes_inicio=&mes_fim=&ano_fim=2015&grau=Todos
  12. Biblioteca Digital Brasileira de Teses e Dissertações – http://bdtd.ibict.br
  13. Você pode consultar a wikipedia, mas ela será considerada como fonte extra, não contabilizando para o mínimo de 2 fontes de consulta.

 

PLÁGIO

Plágio é CRIME!

http://www.puc-rio.br/sobrepuc/admin/vrac/plagio.html

 

FORMATAÇÃO

Todas as palavras em língua estrangeira devem estar em itálico.

Todas as figuras, quadros e tabelas devem ter legenda e devem ser referenciadas e explicadas no texto.

Todas as siglas devem, na primeira vez que aparecem no texto, ter seu nome completo.

 

CONTEÚDO

Divida o Post nas seguintes seções:

  1. Origem da Ferramenta (quando surgiu, quem inventou, porque inventou, curiosidades…)
  2. Aplicação da Ferramenta (para que serve a ferramenta)
  3. Descrição da Ferramenta (como a ferramenta funciona)
  4. Exemplo de utilização (utilização na prática em um exemplo real ou simulado)

Você não precisa criar tópicos para esses itens, basta seguir a lógica.

 

REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS

As referências bibliográficas devem estar em ordem alfabética e no formato da ABNT com, pelo menos, 2 autores (sem contar a wikipedia).

Consulte: http://www.leffa.pro.br/textos/abnt.htm

 

REVISÃO

Salve seu trabalho como RASCUNHO. Quando você entender que ele já está bom, encaminhe para REVISÃO. Todos os trabalhos que estiverem como “Revisão Pendente” eu vou olhar. Se estiver ok, serão publicados, se não estiverem, colocarei comentários e salvarei como rascunho.

Anúncios