Você sabe o que é um consórcio modular? Neste post veremos o exemplo do projeto e da gestão do projeto da Fábrica da MAN Latin América que é quem atualmente administra a Volkswagen Caminhões e ônibus, com sede no Brasil e localizada em Resende/RJ.  Veremos o que é, como ele funciona e no que se consiste um consórcio modular.

O consórcio modular

O consórcio modular nada mais é que um modelo inovador de gestão de projeto, e o seu gerenciamento funciona assim: oito parceiros fazem a montagem de conjuntos completos de peças. São eles a Maxion (que cuida da montagem do chassi), a Arvin Meritor (eixos e suspensão), a Remon (rodas e pneus), a Powertrain (motores), a AKC (armação da cabine), a Carese (pintura) e a Continental (acabamento da cabine). O controle de qualidade do produto é de total responsabilidade da MAN Latin America (Volkswagen). Por sua vez, o Consórcio Modular busca redução nos custos de produção, investimento, estoques, tempo de produção e, principalmente, agilidade na produção de veículos diferenciados.

Os parceiros não participam do lucro final dos produtos. Eles continuam sendo fornecedores, com a grande diferença de também montar as peças que vendem. Na fábrica, compartilham com a MAN toda a infra-estrutura, o que inclui o restaurante e o ambulatório. A estratégia aumenta a produtividade e torna a montagem mais eficiente e flexível. Além disso, ao compartilhar a produção com os parceiros, a empresa consegue se concentrar mais em outros aspectos de seu negócio, como a logística, as estratégias de marketing, o atendimento ao consumidor e, em especial, o desenvolvimento de novos produtos.

WhatsApp Image 2017-11-25 at 20.23.39

Figura 1 – Consórcio Modular/Fonte: https://www.pinterest.se/pin/359162139011523497/ – Acessado em 25/11/2017

Como nasceu o consórcio modular

O início do projeto da Volkswagen Caminhões se deu em 1980 quando assumiu as operações da Chrysler Brasil, após comprar 67% da Chrysler Corporation do Brasil Ltda., antes disso em 1975 havia adquirido pouquíssimas ações da mesma. Com isso, passou a ter sua primeira experiência mundial neste seguimento, e o Brasil passou foi o primeiro país do mundo a produzir caminhões da marca Volkswagen. No ano seguinte, em 1981, a Volkswagen lançou sua própria marca de Caminhões médios e leves com o suporte do Know-row da Chrysler com um modesto market share de três a quatro por cento. Em 1987 a Volkswagen voltou a se beneficiar da experiência em projetos de Manufatura de caminhões de terceiros quando foi criada a Autolatina, uma aliança estratégica entre Ford e Volkswagen, onde toda  a produção foi transferida para a fábrica da Ford no Brasil, que se encontrava no bairro do Ipiranga em São Paulo.

Em 1995, após o fim  da parceria com a Ford, a VW ficou sem a fábrica de caminhões e sem uma unidade produtora de motores para seus veículos. Então foi constatado que que eles precisavam de uma fábrica urgente e que eles não possuíam experiência e competência no segmento de caminhões. Foi ai que nasceu o projeto de uma fábrica Modular, que consiste na divisão de lucros e perdas entre a Volkswagen e os fornecedores que passaram a agregar seus componentes diretos na linha de montagem, com isso a VW passou a ser a única montadora que não realizaria atividade de montagem e dividir os riscos com seus principais fornecedores, cuidando apenas da logística, qualidade e engenharia de manufatura, sendo apenas a gestora de projeto novo e inovador. A fábrica foi construída em 153 dias e teve um investimento de 300 milhões de dólares, e iniciou suas operações em 1996.

Os caminhões e ônibus (incorporados à partir de 1993) Volkswagen são produzidos no Brasil (em Resende/RJ) e mandados em regime CKD para África do Sul, México e Abu Dhabi, nos Emirados Árabes Unidos. Novos mercados estão sendo vistos nas regiões do Oriente Médio e Austrália. Abaixo figura que mostra a planta da fábrica de Resende, e que também mostra como a divisão entre os fornecedores que ocupa espaços especialmente reservados, exemplificando como funciona uma fábrica modular.

WhatsApp Image 2017-11-25 at 20.23.37

Figura 2 – Planta da V.W. de Resende (Divisão da linha de produção)/Fonte: https://www.aedb.br/seget/arquivos/artigos07/1113_Resumo.pdf – Acessado em 25/11/2017

WhatsApp Image 2017-11-25 at 21.25.03

Figura 3 – Planta Fábrica de Resende/Fonte: http://robertopcosta.blogspot.com.br/2013/05/tarcisio-dias-mecanica-online-producao.html – Acessado em 25/11/2017

A Volkswagen Caminhões lançou na primavera de 2005 sua nova série de caminhões, a Constellation, com nova cabine (não mais baseada na cabine MAN da década de 1970) com PBT entre 33 a 45 ton., futuras versões poderão ter PBT de 57 ton. Este modelo fez subir de patamar do mercado devido ao tamanho e Nicho diferenciado. Abaixo foto do Caminhão lançado.

WhatsApp Image 2017-11-25 at 20.23.29

Figura 4 – Volkswagen Constellation/Fonte: https://en.wikipedia.org/wiki/Volkswagen_Constellation – Acessado em 25/11/2017

A Volkswagen chegou a fim de 2007 com a produção recorde de 47.200 veículos, fechando o exercício com receita bruta 30% superior a 2006; também as exportações foram recorde: 10.813 unidades. Já detinha quase 28% do mercado de chassis de ônibus e voltava a ter dois de seus caminhões como campeões de venda na categoria – o leve Delivery 8.150 e o pesado Constellation 19.320. Assim, logrou mais uma vez ultrapassar a Mercedes-Benz no segmento de caminhões (39.328 vs 37.195), feito que viria a repetir nos anos seguintes. Isto motivou a matriz a novos investimentos no Brasil, anunciados em dezembro ao Presidente da República: mais R$ um bilhão, até 2012, 30% dos quais destinados à duplicação da capacidade produtiva da fábrica de Resende, que já então se situava em 50 mil unidades/ano.

Atualmente a VW Caminhões e Ônibus faz parte do grupo MAN AG, que estendeu suas operações na América do Sul e criou a MAN Latin America, com sede no Brasil e a função de gerenciar os negócios da marca em toda a América Latina. Buscam aumentar desempenho, sofisticação e acabamento de determinados produtos para competir no nível de Scania, Volvo e alguns modelos Mercedes-Benz.

Conclusão

Analisando os resultados da pesquisa conclui-se que a decisão da Volkswagen caminhões e ônibus de adotar um modelo de gestão e gerenciamento como o consórcio modular para seu projeto, foi uma decisão estratégica de sucesso. Uma vez que, na época da implementação da fábrica, a montadora não possuía sólidos conhecimentos em manufatura de caminhões, que possibilitassem a construção de uma planta em um curto período (pouco mais de um ano). Soma-se também o fato de que os parceiros escolhidos contribuíram com o conhecimento de seus sistemas, bem como com capital para a (implantação) da nova fábrica (aproximadamente um terço de todo capital investido).

O Contexto apresentado, juntamente com fatores como um grande portfólio de produtos, além dos produtos taylor made (personalização de veículos) e um pós-venda arrojado, possibilitam hoje à Volkswagen alcançar a uma alta taxa de produtividade e satisfação, e ser umas das grandes montadores mundiais.

Referências Bibliográficas

https://www.aedb.br/seget/arquivos/artigos06/562_Processo%20Decisorio%20-%20SEGET%202006.pdf – Acessado em 02/12/2017

https://www.aedb.br/seget/arquivos/artigos07/1113_Resumo.pdf – Acessado em 25/11/2017

http://www.lexicarbrasil.com.br/volkswagen-caminhoes/ – Acessado em 25/11/2017

https://www.man-la.com/institucional/consorcio-modular – Acessado em 25/11/2017

http://www.ocarreteiro.com.br/conheca-a-historia-dos-caminhoes-no-pais/ – Acessado em 25/11/2017

https://pt.wikipedia.org/wiki/Volkswagen_Caminh%C3%B5es_e_%C3%94nibus – Acessado em 25/11/2017

https://pt.wikipedia.org/wiki/Volkswagen_Volksbus – Acessado em 25/11/2017

Foto de Capa – http://vwtbpress.com.br/empresa.asp – Acessado em 25/11/2017

 

Anúncios