Quando se trata de Gestão de equipes em projetos nem todos estão preparados para assumir essa função. Não existe uma grande equipe sem um grande líder, ele é o grande harmonizador que tem o dever de conduzir o seu time para vencer obstáculos, superar dificuldades e buscar resultados positivos. Com o time certo envolvido, capacitado, incentivado, treinado e com uma boa comunicação, é possível atingir metas e níveis de crescimentos cada vez mais altos, trazendo assim bons indicadores no desenvolvimento do Projeto.

Todo Projeto é um novo desafio, que começa na escolha das pessoas que irão integrar as equipes que  darão inicio a construção e execução das variadas vertentes que compõe o Projeto, seja ele naval, industrial, arquitetônico e etc.

Segundo O PMI ( Project Management Institute, 2004), define gestão de projetos como o processo através do qual se aplicam conhecimentos, capacidades, instrumentos e técnicas às atividades do projeto de forma a satisfazer as necessidades e expectativas dos diversos indivíduos ativamente envolvidos no projeto, cujo resultado do mesmo poderá afetá-los positivamente ou negativamente.

Dentro do ambiente de gerenciamento é muito importante identificar os aspectos que envolvem a relação entre líder e liderados. Podemos dizer que a equipe, normalmente, é o reflexo de sua liderança, assim como os filhos são reflexos de seus pais. Podemos afirmar também que quando se tem  profissionais bem preparados e qualificados, com conhecimentos em diversas formas de projetos, isso aliado a uma boa gestão de pessoas contribui para o sucesso do Projeto.

Para HENRY GANTT (1861-1919) o pai do Gerenciamento de Projetos, seu principal pensamento era:

“A melhor maneira de garantir a produtividade e o ambiente de trabalho adequado é a cooperação mútua entre a administração e os trabalhadores.”

Henry Gantt em seu trabalho publicado em 1915 , Industrial leadership (Liderança industrial), desenvolveu a tese do fator humano na indústria, lembrando que o incentivo pecuniário é apenas um entre vários que exercem influência sobre os trabalhadores.Entre os pioneiros da ciência da administração e gerenciamento de projetos, foi talvez um dos que mais enfatizou a importância da liderança natural (não imposta) como um dos principais elementos para o êxito de um empreendimento industrial.

O processo de formação da equipe se inicia com a indicação do líder, que sem sombra de duvida é uma das partes mais importantes do projeto.

Segundo a língua Portuguesa o significado de líder é : (substantivo de dois gêneros) 1. indivíduo que tem autoridade para comandar ou coordenar outros; 2. Pessoa cujas ações e palavras exercem influência sobre o pensamento e comportamento de outras.

O líder deve exercer um papel de liderança dentro de sua equipe, e não de chefia, deve acompanhar o desenvolvimento do projeto e da suporte técnico necessário aos seus liderados. Os lideres são  formadores de opinião, empáticos, altamente capacitados, proativos e estão sempre conectados e cheios de novas ideias, prontos para colocar em prática.

Porem há lideres que se desesperam quando os obstáculos começam a aparecer no andamento do projeto, e não têm sabedoria suficiente para compreender que as dificuldades fazem parte das grandes conquistas que viram ao termino do mesmo. O líder não precisa ser um super-herói, no entanto, ele precisa entender que quando  as coisas não estão indo bem ou não estão funcionando adequadamente, ele deve sempre solicitar ajuda de alguém mais experiente para guiar e orienta-lo corretamente.

No livro, Gerente também é Gente (2006) escrito pelo Professor e Escritor ANDRÉ B. BARCAUI a ênfase principal é demonstrar a importância das pessoas ( a equipe e todos os demais envolvidos no projeto) na difícil equação para se obter sucesso em um projeto. O autor consegue de uma forma extraordinária, relatar o que de fato ocorre no cotidiano das empresas, que vai do momento da convocação do funcionário ao ser promovido, a todas as tarefas, rotinas e desafios que o gerente de projeto tem que enfrentar para realizar as entregas definidas no escopo. Atuar como gerente de projetos ou liderar equipes não é uma tarefa fácil, principalmente pelo grau de complexidade das tarefas multidisciplinares em que o gestor tem que atuar, para exercer uma função ou cargo que o próprio funcionário desconhece. No livro o personagem  Leonardo Flick tem que abandonar o ambiente em que se sentia confortável para começar uma nova função (“mexeram no queijo dele…”), com novas obrigações e ainda tendo que lidar com o maior dos desafios que é de liderar uma pequena equipe, e através da ajuda de um mentor na área de projetos, ele começa a se desenvolver e ganhar confiança para encarar desafios maiores e mais complexos, que o levam a entender  as técnicas usadas na gerência de projetos. O livro oferece ao leitor uma oportunidade única de aprendizado sobre Gestão de Pessoas em Projetos através do relato do cotidiano de um profissional.

O livro de Spencer Johnson – Quem mexeu no meu Queijo? (2005) é uma obra que retrata a vida na sua dinâmica e os objetivos que muitos buscam. Este livro faz uma analogia às variações do cotidiano do ser humano, que sempre esta sujeito a mudanças inesperadas. Na história, os personagens vivem um desafio em busca do que eles querem ter, que no livro é representado pelo queijo. Mas as mudanças repentinas fazem com que eles busquem outras alternativas de alcançarem seus objetivos. A mensagem passada na narrativa do livro, é que o cenário pode mudar a qualquer momento e que as pessoas devem estar preparadas para isso. Além disso, o ser humano nunca deve se acomodar diante de nenhuma situação, pois ao se adaptar às mudanças, ele pode alcançar objetivos maiores e melhores, a sua leitura é recomendada para todos os profissionais de liderança.

O líder do futuro é aquele que possui ênfase em suas competências e comportamentos definidos a partir da organização e suas estratégias. Nesse sentido as competências para a liderança no futuro é ter uma visão ampla do negócio, saber gerenciar complexidade e mudanças, desenvolver a si mesmo e aos outros, ter alinhamento emocional e focar nos resultados.

Conheçam os 10 princípios ou características fundamentais que os gestores devem possuir nos próximos anos:

1. Ser um líder atuante
Há muito tempo existe uma distinção entre gestor e líder. O que podemos esperar para os próximos anos é que o gestor assuma posições de um líder dentro da empresa. Um gestor não pode ser alguém colocado em uma posição de poder, simplesmente porque ele traz mais dinheiro ou é melhor em delegar, e sim que estimule sua equipe e traga resultados.

2. Assumir as responsabilidades
O gestor deve assumir de frente sua função e procurar resolver os obstáculos que sua equipe possa encontrar pela frente. Quando um gestor assume a liderança ele abre novos caminhos e permite que os membros de sua equipe alcancem o sucesso.

3. Entender sobre as tecnologias
Os gestores não precisam se tornar especialistas em cada nova tecnologia surge. No entanto, agora que a tecnologia tornou-se uma parte tão crucial de como vivemos e trabalhamos, nunca foi tão importante para os gestores compreender quais as tecnologias tem o potencial de beneficiar a organização.

4. Liderar pelo exemplo
O gestor deve ser a primeira pessoa a demonstrar um bom comportamento para apoiar novas metodologias ou abraçar um novo conceito. Nunca agir pelo impulso e servir sempre de exemplo para sua equipe.

5. Pedir ajuda se necessário
Um bom gestor deve também, reconhecer o momento de pedir ajuda, admitir quando estiver errado ou mesmo quando não sabe de algo. Reconhecer suas vulnerabilidades é o que leva à inovação e desenvolvimento profissional.

6. Acreditar na inteligência coletiva
O gestor deve entender e abraçar o fato de que ele pode não ter todas as respostas ou tomar as melhores decisões. É muito mais eficaz contar com a inteligência coletiva de uma equipe em vez de tomar decisões ruins.

7. Ser um tomador de decisões
Os gestores são muitas vezes creditados com a necessidade de “apagar incêndios”, porém o seu papel deveria ser exatamente o oposto. Os gestores devem ser tomadores de decisões e geradores de novas ideias que possam desafiar os negócios.

8. Saber reconhecer os méritos
Reconhecer o bom trabalho de um funcionário faz parte da tarefa do gestor. Essa é uma ferramenta de gestão que garante a satisfação do profissional deixando-o motivado a gerar maiores resultados.

9. Oferecer feedback
Se reunir com sua equipe periodicamente e oferecer feedback das atividades desempenhadas e do desenvolvimento do profissional dentro da empresa é uma ótima maneira de garantir que os trabalhos continuem alinhados no ritmo de produção.

10. Reconhecer os limites pessoais
Um gestor reconhece que os membros da equipe têm o seu próprio espaço. Isso significa respeitar os limites pessoais de cada um e não ser invasivo quanto a sua privacidade. Um líder deve trabalhar no sentido de suprir as expectativas dos seus colaboradores e respeitar os limites que existem entre chefia e subordinado.

Obrigado a todos que chegaram até o final deste texto, espero que todos tenham aprendido assim como eu, que o fator humano é essencial para o sucesso de qualquer projeto. As pessoas são simplesmente a razão de ser de tudo.

Deixe seu comentário! Gostaria de recomendações para continuar o debate em textos futuros…

Referências Bibliográficas:

BARCAUI, Andre B. Gerente também é Gente. 1ªed. Rio de Janeiro: Brasport, 2006.

https://pt.wikipedia.org/wiki/Project_Management_Body_of_Knowledge (acesso em 22 de Março de 2017).

http://www.projetizado.com.br/SubPaginas/Sub%20%20Pai%20do%20gerenciamento%20de%20Projetos.html (acesso 25 de março de 2017).

JOHNSON, Spencer. Quem Mexeu no Meu Queijo? Tradução de Maria Clara de Biase. – 46ªed. Rio de Janeiro: Record, 2005.

MEYER, Joyce. A formação de um líder. 2ªed. Belo Horizonte:  Sografe, 2006.

VARGAS, Ricardo V. Manual Prático do Plano de Projeto. 5ªed. Rio de Janeiro: Brasport, 2014.

Anúncios