Qual a importância de conhecer diferentes culturas no gerenciamento de projetos transnacionais? Como este conhecimento pode agregar valor ao projeto?

Tem se tornado mais frequente escutarmos ou lermos notícias onde uma determinada empresa compra o seu concorrente, faz uma fusão ou cria uma Joint Venture. Esta é uma tendência que muitas empresas tem adotado para se manterem neste mercado globalizado, cada vez mais competitivo. As junções entre empresas podem gerar benefícios para o negócio, tais como:

  • Redução de concorrentes, gerando ganhos de Market Share;
  • Redução dos custos de produção, através da otimização da capacidade produtiva, resultando em aumento da margem operacional.
  • Transferência/absorção de know-how, gerando maior vantagem competitiva;
  • Fortalecimento da empresa perante o mercado.

Vale destacar que o processo de junções de empresas pode ocorrer entre empresas nacionais e/ou multinacionais. Em ambos os casos, surge à necessidade da criação de projetos que visem unificar, integrar e consolidar esta nova empresa.

Mendez (2003), fala que empresas multinacionais tem buscado desenvolver produtos globalizados que não sejam destinados somente a um determinado local, mas que possam ser comercializados em diferentes geografias.

Indo ao encontro a esta estratégias de junções empresariais e produtos globalizados, o gerenciamento por projetos aparece como uma ferramenta apropriada para coordenar estas atividades inerentes, assim como proposto por Liveiro (2007).

Kerzner (2003), afirma que a estrutura organizacional por departamentos existente nas empresas nacionais ou multinacionais, cria “ilhas” operacionais isoladas, resultando em sérios problemas de comunicação interdepartamental. Todavia, o gerenciamento por projetos proporciona que os diversos departamentos se comuniquem entre si, em torno de um objetivo comum: o projeto.

Vale destacar que em empresas multinacionais, compostas por equipes transnacionais, os problemas de comunicação tendem a ser potencializados em função da diferença de culturas e idiomas.

Quais os desafios e oportunidades em gerenciar projetos compostos por equipes transnacionais?

img_1590
Figura 01 – Diversidade / Fonte: http://www.dartreview.com/the-importance-of-true-diversity/

Em projetos compostos por equipes transnacionais, podemos afirmar que um desafio ainda maior para o gestor do projeto é o de liderar uma equipe heterogênea, formada por pessoas de diferentes culturas e idiomas.

De acordo com Chevrier (2003), a diferença cultural possui alto grau de influência no desempenho das equipes de projetos transnacionais, pois gera ambiguidade e complexidade no processo de interação grupal. Além disso, equipes de projetos transnacionais necessitam utilizar um idioma corporativo para que haja comunicação entre o grupo. Porém, na prática, nem sempre os membros da equipe possuem o mesmo nível de proficiência no idioma corporativo. O trabalho de Schweiger, Atamer e Calori (2003), afirma que o não conhecimento do idioma corporativo e suas nuances implicam na impossibilidade de comunicação, portanto, o idioma também pode ser classificado como um fator de alta influência sobre os resultados do projeto.

Entretanto, alguns autores mencionam que as diferenças culturais presentes em projetos transnacionais podem ser benéficas ao resultado final do projeto, já que a diversidade cultural da equipe é uma fonte potencial de novas ideias (Chevrier, 2003; McDonough III; Kahan; Barczak, 2001; Schweiger; Atamer; Calori, 2003).

Portanto, podemos dizer que apesar das dificuldades existentes em gerenciar um projeto com equipe transnacional, também existe muita oportunidade para se criar soluções inovadoras.

Como aproveitar os benefícios das diferenças culturais presentes em projetos transnacionais?

img_1591
Figura 02 – Unindo as diferenças / Fonte: https://blogs.hope.edu/career/diversity/diversity-in-the-workplace/

É possível fazer a interação de uma equipe composta por pessoas de diferentes culturas e diferentes níveis de proficiência do idioma corporativo. No entanto, isto demandará algumas habilidades específicas do gerente de projetos.

Segundo Liveiro (2007), em equipes transnacionais é necessário que o gerente do projeto conheça as particularidades ou diferenças culturais e saiba adaptar seu estilo a condição adequada, pois muitas vezes é necessário lidar com situações em que parte da equipe espera um determinado estilo de gerência e outra parte espera um estilo diferente.

Schweiger, Atamer e Calori (2003) afirmam que a escolha da pessoa que irá liderar o projeto transnacional é crítica, além de ter alta influencia no desempenho da equipe e do projeto por consequência.  Os estudos realizados pelos autores mostram que, muitas vezes, líderes de projetos obtiveram sucesso através das suas habilidades em gerenciar as complexas estruturas de funcionamento de projetos envolvendo equipes transnacionais. Com base neste estudo, apontaram algumas características importantes, necessárias ao gerente, para sucesso do projeto, tais como:

  • Proficiência nos idiomas utilizados pela corporação – Gerentes de projetos multilíngues facilitam a comunicação entre os membros da equipe;
  • Conhecimento técnico – O gerente de projeto precisa conhecer os desafios técnicos inerentes ao projeto;
  • Bom relacionamento com as unidades do grupo e conhecimento das estruturas organizacionais – Ter bom relacionamento com as pessoas chaves de cada unidade e conhecer as particularidades das estruturas organizacionais dessas unidades devido à necessidade de contatos frequentes;
  • Capacidade de negociação e motivação – é importante que o gerente de projeto tenha capacidade para negociar recursos e motivar as necessidades dos mesmos;
  • Habilidades de gerenciamento de projetos – O gerente de projeto precisa conhecer e saber utilizar as ferramentas de gerenciamento de projeto;
  • Abertura para aprendizagem constante – Precisa reconhecer que seus conhecimentos são limitados e que depende da equipe para o sucesso do projeto.

Nesta lista podem ser adicionadas mais algumas características ao gerente de projetos, bem como:

  • Boa capacidade cognitiva – Ajudará a evitar distorções de interpretação;
  • Entendimento do comportamento humano – Proporcionará maior facilidade em influenciar;
  • Empatia – Permitirá identificar oportunidades de melhorias em certas atividades realizadas pelos membros da equipe.

Executar projetos transnacionais é realmente um grande desafio, mas quando bem gerenciado gera uma ótima vantagem competitiva para a empresa.

Vimos no desenrolar deste post que o sucesso de um projeto transnacional tem muita ligação com a habilidade do gerente de projeto em saber lidar com os membros da equipe. Dentre as principais habilidades podemos destacar a necessidade de saber se adaptar as diferenças culturais encontradas na equipe.

 

 

Referências Bibliográficas

CHEVRIER, S. Cross-cultural management in multinational project groups. Journal of World Business, v. 38, issue 2, p.141-149, 2003.

KERZNER, H. Project Management: A Systems Approach to Planning, Scheduling and Controlling, 8th edition, New Jersey: John Wiley & Sons, Inc., 2003. 891p.

LIVIERO, F. Análise dos processos de gerenciamento em projetos com equipes transnacionais – um estudo de caso. 2007. Dissertação de mestrado – Escola Politécnica, Universidade de São Paulo, São Paulo, 2007.

McDONOUGH III E.F., KAHAN, K. B. and BARCZAK G. An investigation of the use of global, virtual and collocated new product development teams. The Journal of Product Innovation Management, v. 18, p. 110—120, 2001.

MENDEZ, A. The coordination of globalized R&D activities through project teams organization: an exploratory empirical study. Journal of World Business, v. 38, issue 2, p. 96- 109, 2003.

SCHWEIGER, D. M., ATAMER, T. and CALORI R. Transnational project teams and networks: making the multinational organization more effective. Journal of World Business, v. 38 p. 127-140, 2003.

 

Anúncios